Toda sociedade organizada, tem suas insígnias – totens, pendões, bandeiras, estandartes – que são sempre colocados em um topo (haste, tendas, teto, fachada ou palácio). Mas o que é um estandarte? Estandarte – substantivo masculino (do francês antigo: estandart), dentre outros, designa uma espécie de bandeira, geralmente retangular, com símbolos, brasões, etc., pendente de uma haste, serve como insígnia de corporações, clubes, confrarias, comunidades religiosas, etc. O uso dos Estandartes na Maçonaria ganhou caráter generalizado e obrigatório a partir do aparecimento oficial da Maçonaria Organizada em 1717, muito embora anteriormente muitas Corporações de Ofício (Guildas Operativas) do passado, principalmente na Escócia, já costumavam adotar esse tipo de pavilhão como insígnia da corporação – esse costume foi adquirido principalmente dos reinados, feudos e castas familiares da época que se identificavam pelo conteúdo do seu próprio estandarte (heráldica) A Maçonaria Especulativa, mantém a continuação da tradição das antigas confrarias e corporações profissionais medievais, inclusive a dos pedreiros da Maçonaria Operativa, que tinham por eles a maior veneração e respeito. Fixado por uma travessa, abaixo de uma ponta de uma lança, como o faziam os antigos feudatários e os cavaleiros com direito a usar bandeira, o Estandarte tem o significado simbólico da imortalidade do fogo sagrado a que os Maçons têm o dever de sacrificar-se pela sua defesa. Na autenticidade dos Estandartes, a heráldica dessa insígnia está em identificar a Loja pelos caracteres correlatos ao seu título distintivo e, junto com a carta constitutiva, serve para demonstrar o seu caráter de regularidade.

O Estandarte da Loja JOSÉ GONÇALVES DA SILVA terá as medidas de 0,90m de largura por 1.25m de comprimento; Cabalísticamente assim formada a soma de 9+0=9. O número 9 (nove) simboliza o conhecimento divino. Corresponde à divisão mais antiga e mais natural do círculo, donde 3+3+3=9, 3 é a trindade, glorificação das forças cósmicas no mundo do espírito, alma e matéria, ao reduzirmos a um só número para a primeira medida e na segunda, (1,25) ou seja 1+2=3 ainda forças cósmicas e 5 Esplendor (encadeamento necessário das causas e dos efeitos); continuando seus estudos cabalísticos para o 9 quando o homem realizado passar pelo equilíbrio do 6, a realização do 7 a característica cósmica do 8, atinge a glorificação do 9. Mais que nunca o 9 é a realização do nº 4 e do 5, quando pela segunda medida, vem lembrar o Grau de Companheiro na busca de formarmos novos mestres mediante estudo rigoroso, meditação profunda e compreensão absoluta. A aplicação de seus conhecimentos sobre o nº 7, é um imperativo que o Mestre Maçom siga seus estudos e transmita a seus IIr.’., para que possa erguer a humanidade, elevar o homem espiritualmente, até coloca-lo no lugar que lhe é devido tão próximo quanto possível do absoluto.

Forma Retangular: Corresponde a 80% do Estandarte, que além de obedecer as formas tradicionais dos Estandartes de toda época, lembra aos nossos obreiros da forma quadrangular de uma Loja Maçônica com a distinção de Oriente e Ocidente, Norte e Sul colocando assim a extensão das dimensões da Loja.

Abeta Triangular: Localizada na parte inferior, ocupa a largura total de 0,90m de largura,por uma altura de 0,25m, representando a importância do Aprendiz, do Companheiro e do futuro Mestre no quadro de obreiros de uma loja.

O fundo do estandarte nos remete ao Universo recriado no templo maçônico, e, no qual participamos da marcha divina do Sol, da passagem noturna das estrelas, dos períodos da Lua, dos equinócios e dos solstícios, onde estabelecemos uma reunião harmônica mágica entre esta pequena parcela terrestre e a imensidão celeste, interpenetrando o microcosmo com o macrocosmo, o aprendiz despoja-se das ilusões da personalidade, busca na Fé, na Esperança e na Caridade para com seus semelhantes o combustível da vida. Encontra na reflexão a vida da alma, fortificando o ressurgimento espiritual, fugindo ao passo escorregadio da vida sensitiva, afasta o mal, do eixo de sua existência, e como uma larva, que para chegar ao seu completo desenvolvimento, passa por sucessivas transformações, o aprendiz aguarda sereno no setentrião o discernimento de espírito para continuar sua marcha.

O título distintivo da nossa augusta oficina é a imagem do nosso saudoso irmão JOSÉ GONÇALVES DA SILVA. Homem de um vasto conhecimento maçônico e humilde por natureza, nasceu em 04 de novembro de 1928 e foi iniciado na Loja “União de Iguassu”, Oriente do Rio de Janeiro, era detentor da Estrela da Distinção Maçônica e exerceu o Patriarcado do Rito Adonhiramita no Brasil no período de 1993 a 2003.

Letras Douradas: É a cor predominante das letras encontradas em nosso Estandarte. É utilizada nos atributos e cerimônias da Maçonaria e tem por símbolo a magnificência. Em Alquimia é um dos metais perfeitos, quer dizer, inalteráveis. É o compromisso dos Irmãos da Loja de serem sempre generosos com nossos semelhantes.

Todo o contorno do estandarte em suas laterais, será adornado por uma franja dourada; exceto na parte superior que terá um acabamento para encaixe de haste metálica ou de madeira, estilo “Muralha de Castelo”.

O DELTA: É a quarta letra do alfabeto grego, representada como um triângulo equilátero, figura considerada perfeita por ter seus ângulos e lados iguais. É um dos símbolos mais importantes e antigos utilizados para representar a Trindade Divina. O Delta corresponde às três faces ou aspectos da divindade e simboliza também a sua forçaindivisível:Onipotência-Onipresença-Onisciência;Criador-Conservador-Destruidor; Energia-Resistência-Movimento; Energia-Matéria-Vida; Começo-Meio-Fim; Tese-Antítese-Síntese; Vontade-Amor-Inteligência; Vontade-Ideia-Ação.

O Olho Que Tudo Vê: Desde tempos imemoriais, foi escolhido como símbolo da vigilância, e o olho da divindade como a representação da divina vigilância e da proteção do universo. Os egípcios representavam Osíris, sua principal divindade, pelo símbolo de um olho aberto e os judeus, que por séculos viveram cativos no Egito até serem libertados a duras penas por Moisés, também o fizeram, sendo encontrado em diversas passagens do Antigo Testamento, como por exemplo no Salmo 34:15 “Os olhos do Senhor estão sobre os justos …”. ou em Provérbios 15:3 “Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons”. O olho que tudo vê na Maçonaria é usado para representar o GADU.’. em sua onipresença. A combinação dos dois símbolos sugere a perfeição da Consciência divina em sua totalidade, seu acabamento e sua natureza que abarca.

A estrela Flamejante representa a quintessênciano sentido hermético do termo, e a letra “G” torna-se a inicial de Graal, desse Graal que é o véu do fogo criador, fogo que brilha e que “Flameja”. Num sentido iniciático, a Estrela Flamejante e a letra “G” nos mostram o iniciado em quem o fogo é despertado, fogo que pode conduzí-lo ao Adeptat caso ele saiba se libertar do sentido puramente moral do símbolo e não se atole nas glosas que abundam em torno do termo: Glória, Grandeza, Geometria, Gravitação, Geração, Gênio, Gnose…

O Pavimento Mosaico é o emblema da variedade do solo trerrestre, formado de pedras brancas e pretas unidas unidas por um mesmo cimento, simboliza a união de todos os Maçons do Globo, apesar da diferença das cores, dos climas e das opiniões públicas e religiosas; elas são uma imagem do bem e do mal de que o chão da vida está semeado.

As Colunas, “J” (Jachin) e “B” (Boaz), situadas à entrada do Templo, representam as Colunas de Salomão. Em posição de leitura para o Ven. Mestre e liturgia do rito Adonhiramita, ao sul, à esquerda, encontra-se a Coluna do 1º Vig., a Coluna “B”, abreviatura de Boaz, que significa que “nele está a Força”; Ao norte, à direita, encontra-s a Coluna do 2º Vig., a coluna “J”, abreviatura de Jachin, que significa “ele estabelecerá”. As Romãs maduras entreabertas simbolizam a perfeita união e fraternidade dos Maçons, com a mais absoluta liberdade e independência pessoal. A simetria de seus grãos bem como a disposição no interior do fruto, nos mostra que estamos ligados pelo espírito e princípios Maçônicos. É o símbolo da multiplicação e da União.

A Pedra Bruta é a imagem do Aprendiz que ainda ignora os ensinamentos maçônicos, e que está sem instrução, dominado pelas paixões da vida comum, sobre as quais deve triunfar.

A Pedra Cúbica é o objetivo do Aprendiz, pois à medida que ele desbasta segue no seu aperfeiçoamento e, ao conseguir o polimento com o esforço do seu trabalho, surge o hexaedro com as suas faces opostas, paralelas e congruentes e todo lustroso, simbolizando a sua alma harmoniosa, o homem instruído, capaz de dominar as paixões e eliminar os vícios.

A Corda de Sete Nós são os chamados laços de Amor, e terminada por uma Borla em cada extremidade. Nos lembram, também, os sete Mestres necessários para o funcionamento da Loja, Esses nós entrelaçados são a imagem da união fraterna que liga todos os Maçons espalhados pela face da terra, sem distinção quanto as suas crenças e as suas condições socioeconômicas. Seu entrelaçamento simboliza também, o segredo que deve rodear nossos mistérios.

A Acácia: planta símbolo por excelência da Maçonaria; representa a segurança, a clareza, e também a inocência ou pureza. A Acácia foi tida na antiguidade, entre os hebreus, como árvore sagrada e daí sua conservação como símbolo maçônico. Os antigos costumavam simbolizar a virtude e outras qualidades da alma com diversas plantas. A Acácia é inicialmente um símbolo da verdadeira Iniciação para uma nova vida, a ressurreição para uma vida futura.

O Livro aberto: Representa nossa conduta moral através do “Livro da Lei”. Primeira lição ensinada ao Aprendiz Maçom de “quão bom e quão agradável é viverem unidos os irmãos” e da necessidade de sempre estarmos reunidos em Loja para juntos invocarmos a presença do Grande Arquiteto do Universo e das promessas efetuadas por nós.

O Esquadro sobre Compasso: Encimando sobre o Livro da Lei encontramos este dois instrumentos e, conforme a tradição é entre o Esquadro e Compasso que encontramos um Maçom, pois, o Esquadro serve para regular suas ações, simboliza a Retidão moral e virtude e o Compasso para traçar os justos limites a conservar em sua conduta para com seus semelhantes, e particularmente para com seus irmãos.

A Lua e o Sol: A astronomia nos ensina que a Lua quarto-crescente nasce ao meio-dia e se põe exatamente à meia-noite. Assim, quando o Sol está em seu zênite, ao meio-dia em ponto, é quando a Lua quarto-crescente nasce, a qual se põe à meia-noite em ponto. Sobre esse aspecto, a Lua e o Sol devem ser interpretado, na Maçonaria, como um único símbolo, representando o período de trabalho dos obreiros.

Bibliografia consultada:

Ritual grau de Aprendiz – Rito Adonhiramita – Ed. 2009

Numerologia Cabalística – Carlos Rosa

Virtude e Verdade – Tomo I- Graus Simbolicos – Luiz Fachin

Los Antiguos Simbolos Sagrados – Ralph M. Lewis

Missão da Maçonaria

A Maçonaria tem como missão fazer amigos, aperfeiçoar suas vidas, dedicar-se às boas obras, promover a verdade e reconhecer seus semelhantes como homens e irmãos.

Onde Estamos
  • Rua Dílson Antônio Legentil, 33 – Bairro Flamengo – Maricá – RJ. CEP: 24903-400
Sessões:

Todas as quartas às 19:30.